Archive for the ‘Woody ALLEN’ Category

MixLit 65: Os sumiços

Interrompemos a nossa emissão para avançar com uma notícia de última hora: Há 24 h que são reportados desaparecimentos, em diferentes locais, de pessoas que se encontravam a ler.1

.

O que o jornalista dizia era interessante, mas Tomas não conseguia se concentrar em suas palavras. Pensava no filho.2 Sempre lendo romances.3 Chegava em casa muito tarde, esgotado e devastado pel4o amor aos livros.5

– Todo mundo está apavorado.6 Duas irmãs foram mortas em casa, porque não trancaram a porta direito.7 – Sua esposa lhe disse8, prestes a desabar em lágrimas.9 

– É mesmo?

– Foi o que me disseram  – disse sem muita convicção.10 Ela só queria11 encontrar um barco que aceitasse retirá-los da cidade.1    

– Quanto tem? – perguntou ele,13 pasmo, os punhos cerrados.14

MixLit 65 walking-away

– Pouco.15

– Porcaria16 Como…? – balbuciou e depois parou.17 – Onde vou arranjar dinheiro?18  – começou a se mexer e depois a correr e a fugir19, com seu baú e suas trouxas, sem se despedir.20

O filho de Tomas21 chegou enfim22 lendo23 um livro na mão.24 A mãe do menino então25 se jogou no seu pescoço e chorou como uma criança, chamando-o de meu pequeno isso e meu pequeno aquilo.26 Abraçados pela cintura, ficaram de pé no alto da escada. Embaixo, viram três homens mascarados com fuzis nas mãos. Era inútil hesitar, pois não havia maneira de fugir.27



1 Patrícia PORTELA. Para cima e não para norte. Lisboa: Caminho, p.175.

2 Milan KUNDERA. A insustentável levaza do ser. Tradução de Teresa Bulhões Carvalho Fonseca. São Paulo: Companhia das Letras, p.242.

3 Italo CALVINO. Se um viajante numa noite de inverno. Tradução de Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, p.50.

Bruno SCHULZ. Ficção completa. Tradução de Henryk Siewierski. São Paulo: Cosac Naify, p.69.

João TORDO. O bom inverno. Rio de Janeiro: Língua Geral, p.52.

Woody ALLEN. Sem plumas. Tradução de Ruy Castro. Rio Grande do Sul: L&PM, p.51.

Woody ALLEN, idem.

Yasunari KAWABATA. O país das neves. Tradução de Neide Hissae Nagae.São Paulo: Estação Liberdade, p.80.

Raphael MONTES. Suicidas. São Paulo: Benvirá, 2012, p.227.

10 Julian BARNES. O sentido de um fim. Rio de Janeiro: Rocco, p.31.

1Henry MILLER. Trópico de Câncer. Tradução de Beatriz Horta. Rio de Janeiro: José Olympio, p.278.

12 Rui TAVARES. O pequeno livro do grande terramoto. Lisboa: Tinta-da-China, p.110.

1Henry MILLER, idem, p.285.

14 Raphael MONTES, idem.

1Henry MILLER, idem, p.278.

1Daniel MACIVOR. A primeira vista/In on it. Tradução de Daniela Avila Small. Rio de Janeiro: Cobogó, p.156.

1Kurt VONNEGUT JR. Matadouro número 5. Tradução de George Gurjan. Rio de Janeiro: Artenova, p.49.

1Luiz Alfredo GARCIA-ROZA. Fantasma. São Paulo: Companhia das Letras, p.82.

1Milan KUNDERA, idem, p.342.

20 Bruno SCHULZ, idem, p.245.

2Milan KUNDERA, idem, p.243.

2Milan KUNDERA, idem, p.242.

2Julian BARNES, idem, p.123.

2João TORDO, idem.

25 Kurt VONNEGUT JR, idem, p.135.

2Henry MILLER, idem, p.278

27 Milan KUNDERA, idem, p.342.

Ilustração por Lauren Nassef.

________________________________
Nos últimos meses, o MixLit foi notícia em diversos veículos. Gostaria de indicar especialmente dois. Em dezembro saiu um artigo de Luiza Miguez, jornalista da revista Piauí, no novo site do Itaú Cultural. Luiza ganhou uma bolsa para escrever esse artigo durante todo o ano de 2012. Ela fez entrevistas comigo e com muitas outras pessoas, estudou o tema a fundo e frequentou uma das Oficinas de remix literário que dei nesse ano que está terminando. O artigo, intitulado “Os DJs da Literatura” traz comentários de Heloísa Buarque de Hollanda e José Castello, e tem como personagens principais Mário de Andrade – um dos cabeças do movimento de antropofagia, autor de “Macunaíma” -, os norte-americanos Kenneth Goldsmith (autor de Uncreative Writing) e Mark Amerika (autor de remixthebook), e eu. Você pode ler o divertido e bem-humorado artigo aqui. A segunda matéria que gostaria de recomendar está no site BaixaCultura, um site que frequento bastante e que traz notícias e ensaios sobre cultura digital, cultura hacker, arte de vanguarda, copyright e copyleft, creative commons e outros assuntos contemporâneos. Leonardo Foletto, jornalista autor de “Efêmero revisitado – conversas sobre teatro e cultura digital”, é o principal responsável pelo site e fez uma entrevista muito estimulante comigo, na qual fomos desde o processo criativo até a maneira como a cultura do compartilhamento nas redes sociais tem influenciado a criação artística . Você pode encontrar “A literatura sampleada do MixLit” aqui.

Um abraço,
Leonardo Villa-Forte.

Anúncios

MixLit 61: Um jogo

Ele estava no quarto, empurrando roupas para dentro de uma mala, quando ela chegou à porta.

– Estou contente por você estar indo embora, estou contente por você estar indo embora! – disse ela – Está ouvindo?1

– Você estava muito irritada agora há pouco.

– Fui apanhada de surpresa.

– Peço desculpas por isso.2 Meu pensamento esbarra nos seios, nas coxas e ancas das mulheres.3 É muito difícil ser inteligente neste corpo.4 Não é você que tem de suportar isso.5

“Por que ele está me dizendo isso?”, pensou Liôlia.6  Sentiu um duro apertão na traqueia, e7 teve um estremecimento íntimo.8 A tentação de9 beijos cheios de paixão, e tais como nunca recebera, fizeram-na de repente esquecer que talvez ele amasse outra mulher. Dali a pouco já não o considerava culpado.10 Estava jogando algum jogo, no qual precisava mover-se rapidamente11. Curvou-se em cima dele para sussurrar umas últimas palavras em seu ouvido:12

– Se quiser, por muito favor, ficar aqui até à noite, há de ficar calado; ao contrário – rua!13

Ele não respondeu. Foi ela quem se afastou, somente para voltar mais meiga e mais ousada. Tornou-se tão afoita, tão desesperada, que o deixou imaginando se algum dia conhecera a verdadeira natureza de sua mulher.14

____________________

1 Raymond CARVER. Iniciantes. Tradução de Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p.234.

2 Woody ALLEN. Adultérios. Tradução de Cássia Zanon. Rio Grande do Sul: L&PM, 2011, p.63.

3 Murilo MENDES. Poemas e Bumba-meu-Poeta. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989, p.61.

4 Gonçalo M. TAVARES. O homem ou é tonto ou é mulher. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2005, p.31.

5 William FAULKNER. O som e a fúria.  Tradução de Paulo Henriques Britto. São Paulo: Cosac & Naify, 2003, pg.264.

6 Anton TCHECKHOV. Um negócio fracassado e outros contos de humor. Tradução de Maria Aparecida Botelho Pereira Soares. Rio Grande do Sul: L&PM, 2010, p.29.

7 Domingos AMARAL. Quando Lisboa tremeu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2011, p.18.

8 José de ALENCAR. Lucíola. São Paulo: Ática, 1998, p.119.

9 Jorge Luis BORGES. Discussão. Tradução de Josely Vianna Baptista. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, p.42.

10 STENDHAL. O vermelho e o negro. Tradução de Raquel Prado. São Paulo: Cosac Naify. 2008, p.85.

11 Patrick SÜSKIND. O perfume – história de um assassino. Tradução de Flávio R- Kothe. Rio de Janeiro: Record, 1985, p.178.

12 J.M. COETZEE. Vida e época de Michael K. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p.206.

13 Aluísio AZEVEDO. O cortiço. São Paulo: Ática, 1992, p.95.

14 Nathan ENGLANDER. Para alívio dos impulsos insuportáveis. Tradução de Lia Wyler. Rio de Janeiro: Rocco, 2007, p.205.

Imagem: Bruce French, “Darkness is the absence of light”.


MixLit 36: Piada no exílio

Aquilo tinha de ser uma piada, ele carregou os dois canos. Era um homem com senso de humor. Um gozador. Não se podia confiar em tal homem, um curinga no baralho1.

Estirado na areia, cochilo. É uma tarde de sol. Outra vez, as aves, que dançam sobre minha cabeça2 lentamente. A claridade da luz brinca num matiz de cinza, verde e marrom3.

Por que estamos aqui? Sei lá! Culpa dele4, meu tio comunista, exilado no mato. “É a revolução” – dizia mamãe5.

Passaram-se dias?

Anos?6

Cheguei até a sonhar essa cena, e nossa família me pareceu como a pequena corte do rei Jaime II, em exílio na costa de Haia7.

Ainda não me dei um tiro, como fez meu tio8. Uma das razões para isso é que sou preguiçoso demais – ou orgulhoso demais – para fazê-lo, a despeito de qualquer noção de “segurança”9. No entanto10, tenho curiosidade11. A ideia do suicídio é um poderoso consolo: ela ajuda a passar mais de uma noite ruim12.

_____________________

1 Joyce Carol OATES. Descansa em paz. Tradução de Eliza Nazarian. Leya. São Paulo. 2010, p.193.

2 José CASTELLO. Ribamar. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro. 2010, p.90.

3 Walt WHITMAN. Folhas de Relva. 1855. Tradução de Rodrigo Garcia Lopes. Edição bilingue. Iluminuras. São Paulo. 2008, p.55.

4 Felipe PENA. O marido perfeito mora ao lado. Record. Rio de Janeiro. 2010, p.13.

5 Joca Reiners TERRON. Curva de rio sujo. Planeta. São Paulo. 2003, p.15.

6 Anne RICE. Violino. 1997. Tradução de Mário Molina. Rocco. Rio de Janeiro. 1999, p.203.

7 W.G. SEBALD. Os anéis de Saturno. 1995. Tradução de José Marcos Macedo. Companhia das Letras. São Paulo. 2010, p.57.

8 H.P. LOVECRAFT. A sombra de Innsmouth. 1931. Tradução de Guilherme da Silva Braga. Hedra. São Paulo. 2010, p.119.

9 Woody ALLEN. Em: Grandes diretores de cinema – entrevistas de Laurent Tirard. Tradução de Marcelo Jacques de Moraes. Nova Fronteira. Rio de Janeiro. 2006, p.86.

10 Deepak CHOPRA. Corpo sem idade, mente sem fronteiras – a alternativa quântica para o envelhecimento. 1993. Tradução de Haroldo Netto. Rocco. Rio de Janeiro. 1994, p.18.

11 Fernando PESSOA. Trecho de uma fala sua, reproduzido no site “Pensador”: http://www.pensador.info/curiosidade/2/

12 Friedrich NIETZSCHE. Além do Bem e do Mal. 1886. Tradução de Antônio Carlos Braga. Escala. São Paulo. 2007, p.91.

%d blogueiros gostam disto: