Archive for the ‘Nathan ENGLANDER’ Category

MixLit 61: Um jogo

Ele estava no quarto, empurrando roupas para dentro de uma mala, quando ela chegou à porta.

– Estou contente por você estar indo embora, estou contente por você estar indo embora! – disse ela – Está ouvindo?1

– Você estava muito irritada agora há pouco.

– Fui apanhada de surpresa.

– Peço desculpas por isso.2 Meu pensamento esbarra nos seios, nas coxas e ancas das mulheres.3 É muito difícil ser inteligente neste corpo.4 Não é você que tem de suportar isso.5

“Por que ele está me dizendo isso?”, pensou Liôlia.6  Sentiu um duro apertão na traqueia, e7 teve um estremecimento íntimo.8 A tentação de9 beijos cheios de paixão, e tais como nunca recebera, fizeram-na de repente esquecer que talvez ele amasse outra mulher. Dali a pouco já não o considerava culpado.10 Estava jogando algum jogo, no qual precisava mover-se rapidamente11. Curvou-se em cima dele para sussurrar umas últimas palavras em seu ouvido:12

– Se quiser, por muito favor, ficar aqui até à noite, há de ficar calado; ao contrário – rua!13

Ele não respondeu. Foi ela quem se afastou, somente para voltar mais meiga e mais ousada. Tornou-se tão afoita, tão desesperada, que o deixou imaginando se algum dia conhecera a verdadeira natureza de sua mulher.14

____________________

1 Raymond CARVER. Iniciantes. Tradução de Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p.234.

2 Woody ALLEN. Adultérios. Tradução de Cássia Zanon. Rio Grande do Sul: L&PM, 2011, p.63.

3 Murilo MENDES. Poemas e Bumba-meu-Poeta. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989, p.61.

4 Gonçalo M. TAVARES. O homem ou é tonto ou é mulher. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2005, p.31.

5 William FAULKNER. O som e a fúria.  Tradução de Paulo Henriques Britto. São Paulo: Cosac & Naify, 2003, pg.264.

6 Anton TCHECKHOV. Um negócio fracassado e outros contos de humor. Tradução de Maria Aparecida Botelho Pereira Soares. Rio Grande do Sul: L&PM, 2010, p.29.

7 Domingos AMARAL. Quando Lisboa tremeu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2011, p.18.

8 José de ALENCAR. Lucíola. São Paulo: Ática, 1998, p.119.

9 Jorge Luis BORGES. Discussão. Tradução de Josely Vianna Baptista. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, p.42.

10 STENDHAL. O vermelho e o negro. Tradução de Raquel Prado. São Paulo: Cosac Naify. 2008, p.85.

11 Patrick SÜSKIND. O perfume – história de um assassino. Tradução de Flávio R- Kothe. Rio de Janeiro: Record, 1985, p.178.

12 J.M. COETZEE. Vida e época de Michael K. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p.206.

13 Aluísio AZEVEDO. O cortiço. São Paulo: Ática, 1992, p.95.

14 Nathan ENGLANDER. Para alívio dos impulsos insuportáveis. Tradução de Lia Wyler. Rio de Janeiro: Rocco, 2007, p.205.

Imagem: Bruce French, “Darkness is the absence of light”.


Anúncios

MixLit 14: Achei que era louco

Estudiamos lo mismo, declarou, e começou a me explicar sobre o que era sua tese. Discorreu sobre o sujeito fragmentado pós-moderno e os espaços confinados da pós-modernidade; sobre o fim da utopia, sobre Baudrillard, Lyotard e vários outros autores, alguns dos quais eu nunca tinha ouvido falar; depois partiu para uma autora chilena, Eltit, e então falou do último livro, como tinha gostado, ou não, não entendi direito.(1)

Es más real el agua de la fuente o la muchacha que se mira en ella?(2)

– Que diferença isso pode fazer agora?(3)

Devia ser proibido debochar de quem se aventura em língua estrangeira.(4)

Crúzame tu existencia, suponiendo que mi corazón está destruido.(5)

– Você está completamente louco.(6)

Ele já estava se levantando quando me lembrei de perguntar:

– Se acontecer alguma coisa com você, a quem eu devo avisar?

– O que pode me acontecer?

E acrescentou, já saindo pela porta:

– Isso tudo não é uma ficção?(7)

____________________

1. Paloma VIDAL. Algum lugar. 2009. Editora 7Letras. Rio de Janeiro. 2009, pg.34.

2. Nicanor PARRA. Poemas & Antipoemas. 1954. Editorial Universitaria. Santiago, Chile. 2008, 6ª reimpressão, poema: “Preguntas a la hora del té”, pg. 47.

3. Nathan ENGLANDER. Para alívio dos impulsos insuportáveis. 1999. Tradução de Lia Wyler. Editora Rocco. Rio de Janeiro. 2007, pg.29.

4. Chico BUARQUE. Budapeste. 2003. Companhia das Letras. São Paulo. 2003, 2ª edição, 3ª reimpressão, pg.5.

5. Pablo NERUDA. Residência na Terra I. 1925-1931. Tradução de Paulo Mendes Campos. L&PM Pocket. Rio Grande do Sul. 2007, edição bilíngue, pg.32.

6. Henrik IBSEN. Um inimigo do povo. 1882. Tradução de Pedro Mantiqueira. L&PM Pocket. Rio Grande do Sul. 2007, pg.27.

7. Luis Fernando VERISSIMO. Os espiões. 2009. Editora Alfaguara/Objetiva. Rio de Janeiro. 2009, pg.60.

Imagem: capa do livro “Whispering gallery”, de Andrew Burke

%d blogueiros gostam disto: