MixLit 30: Nunca, nenhuma, nada

Ajoelhado no assoalho de madeira, Silas orou suplicando perdão. Depois, tirando a túnica, estendeu o braço outra vez para pegar(1) o meu corpo, a minha pele clara, o meu seio(2).

– Nunca, na minha vida, nunca toquei numa prostituta!

– Eu conheço vocês todos!

– Sua nojentinha!

– Quem é que é nojenta?

– Você, sua vagabunda!(3) Tome. Quer mais? – Acrescentou uma nota maior, sentindo que a odiava, que teria dado qualquer coisa para não a ter encontrado(4). – Para tomar um traguinho – cochicha. E fica, todo excitado, a olhar para as estrelas(5). – O prazer e a dor – diz ele – que são dois sentimentos em si mesmos tão diferentes, não diferem tanto quanto a suas causas(6). Há apenas duas saídas e ambas estão igualmente trancadas: dos dois lados, nada posso fazer senão calar-me(7).

_ _ _ _

Ele tinha se enforcado de madrugada(8).

_____________________

1. Dan BROWN. O código Da Vinci. 2003. Tradução de Cecília Cavalcante Falck-Cook. Sextante. Rio de Janeiro. 2004, p.160.

2. Sérgio TAVARES. Cavala. 2009. Record. Rio de Janeiro. 2010, conto: Cavala, p.41.

3. Nelson RODRIGUES. Toda nudez será castigada. 1965. Em: O teatro completo de, 4 – Tragédias cariocas II. 1961-1978. Nova Fronteira. Rio de Janeiro. 1990, p.172.

4. Juan Carlos ONETTI. O possível Baldi. Sem data. Tradução de Eliane Zagury. Em: Os primeiros contos de dez mestres da narrativa latino-americana. Org. de Ángel Rama. Paz e Terra. Rio de Janeiro. 1978, p.132.

5. Érico VERÍSSIMO. As mãos de meu filho. 1942. Em: Os cem melhores contos brasileiros do século. Org. de Italo Moriconi. Objetiva. Rio de Janeiro. 2000, p.179.

6. David HUME. A tragédia. Entre 1741 e 1751. Hume – Vida e obra. Tradução de João Paulo Gomes Monteiro e Armando Mora D´Oliveira. Nova Cultural. São Paulo. 1999, coleção: Os pensadores, pg.326.

7. Roland BARTHES. Fragmentos de um discurso amoroso. 1977. Tradução de Márcia Valéria Martinez de Aguiar. Martins Fontes Editora. São Paulo, 2ª edição, 2007, p.322.

8. Hafid AGGOUNE. Os amanhãs. 2004. Tradução de Maria Angela Villela. Rocco. Rio de Janeiro 2005, p.14.

Anúncios

One response to this post.

  1. Posted by Sergio Tavares on 1 de outubro de 2010 at 23:48

    Que barato essa idéia! Parabéns! Ficou bem legal! Um abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: